parallax background
parallax background

FESTA DO JAZZ - Edições

Once upon a time Jazz   |   2003   |   2004   |   2005   |   2006   |   2007   |   2008   |   2009   |   2010
2011  |    2012   |   2013   |   2014   |   2015   |   2016   |   2017   |   2018   |   2019   |   2020

2004

3 e 4 de Abril

Quando no final de 2002 apresentei o projecto para a realização de um evento ligado ao Jazz no Teatro São Luiz, Jorge Salavisa, o Director, avançou quase imediatamente com a ideia de Festa, em contraponto com a realização de um festival, onde a criação artística e a pedagogia fossem uma forma de encontro e celebração. Não podia estar, sabemos agora, mais certo na direcção escolhida. A 1ª Festa do Jazz, em Junho de 2003, foi um acontecimento surpreendente. Tantos sorrisos e tão boa música. Tantas surpresas e encontros entre músicos de diferentes gerações. O retorno de promessas só adiadas. A vida a revelar-se complexa, inconformada e alegre; os alunos (algumas boas revelações) das escolas de jazz de todo o país; a história do jazz com um actor e grupo de músicos em palco; o entusiamo nas várias salas de espetáculo, nos corredores, no café, nas jam-sessions, em todos nós.

O novo Teatro São Luiz deixou antever nessa altura aquilo que se confirmou ao longo dests anos: a equipa que cria diariamente condições para receber artistas, técnicos e outras pessoas das artes do palco, cria simultaneamente um “espaço de acolhimento” de comunidades artísticas, como a do Jazz, durante a Festa. Eles são co-responsáveis pelo êxito da 1ª edição pela maneira como nos recebem. Lisboa tem um novo grande teatro, aberto à cidade e com vida lá dentro...

O 1ª círculo fecha-se assim e agora a surpresa será menor. Mas o entusiasmo é muito maior. Restam ainda surpresas. Senão vejamos:

- Este ano a Festa foi antecedida, de um programa para os jovens das escolas do concelho de Lisboa com o projecto “Era Uma Vez Jazz”. Para os mais adultos foi criado um espetáculo a que chamamos “Os Amantes do Jazz”. Estes dois programas contam com a preciosa colaboração de João Nunes/Produções Fictícias, que tal como no ano passado, aceitaram o desafio de fazer algo novo.

- A 1ª Festa tinha como objectivo dar a conhecer o trabalho desenvolvido por algumas Escolas de Música que se dedicam a esta expressão musical. A 2ª Festa continua na mesma direcção. Mas ao propormos, a título simbólico, a atribuição de um prémio para Melhor Combo e Melhor Solista, incentivámos a competição saudável dentro da própria escola para a selecção dos candidatos que a virão representar. Além do Júri, vamos todos estar atentos às “performances” dos futuros craques. Este ano vamos ter, pela primeira vez, “masterclasses” orientadas por alguns dos melhores músicos portugueses e europeus. Uma oportunidade única para os alunos das Escolas participantes.

- Surpresa não será a qualidade dos músicos que se apresentam na Sala Principal. Os nossos convites deste ano assentam na vontade de mostras as sólidas e frutuosas relações de músicos/compositores portugueses com parceiros europeus de primeira linha: Mário Laginha com Julian Argüelles; Carlos Bica com Frank Möbus; Rodrigo Gonçales com Perico Sambeat. Também sem surpresa teremos ao fim da tarde as Orquestras. Este ano será a Tora Tora Big Band e Big Band do Hot Clube de Portugal, com um som, à vez, intenso ou forte e subtil como só este tipo de formação pode produzir.

- Como a Festa não para durante os dois dias, com cerca de 12 horas de música consecutivas, para quem se sentir exausto o Café dos Teatros oferece, à volta da tranquilidade de uma mesa, música feita por Duos com excelentes músicos – Afonso Pais e Jesse Chandler; Rui Caetano e João Custódio. E a caminho pode comprar um CD na Feira do Disco.

- No final da noite os músicos e o público serão afectuosamente recebidos pelo Trio de Filipe Melo que depois de tocar alguns temas acolherá a Jam Session com a excitação e imprevisibilidade características.

- Inédita é também a encomenda feita a alguns compositores portugueses para criarem um repertório para a Festa. Quisemos juntar compositores de áreas diferentes como o Jazz e música Clássica, com afinidades na escrita que possam desenhar pontes entre estas músicas, os seus públicos e os seus artistas. A música resultante, seis peças originais, será executada por um grupo de talentosos músicos a que chamamos “Ensemble Festa do Jazz”. Os compositores são: Bernardo Sassetti, Carlos Barretto, Eurico Carrapatoso, Nuno Campo, Pedro Moreira e Carlos Martins.

Veja o cartaz aqui.

20150602114234_55T90M373759A68563HR